texto_japao_05

Atendimento

Quem já não reclamou do atendimento em estabelecimentos comerciais do Brasil. Seja o troco errado, o mau humor do atendente ou o despreparo de quem tenta vender um produto que não conhece. Se você alguma vez já reclamou disso, então o Japão é um verdadeiro paraíso.

A terra do sol nascente é cheia de “konbini’ lojas de conveniência. Elas estão por todos os lados, não somente em postos de combustíveis. Diferente do Brasil, a variedade de produtos dessas lojas é grande e não custa o olho da cara. Eu, várias vezes, comprei meu almoço em uma “konbini’ por apenas 200 ienes quase 5 reais, o que no Japão é muito barato. Um almoço para dar uma forrada no estômago em um restaurante não sai por menos de 40 reais.

O que chama a atenção logo de cara ao se entrar em uma “konbini’ é que os funcionários dizem um alto e claro “bem-vindo”. Ao chegar com a cestinha no caixa, o atendente cumprimenta novamente e começa a passar os produtos no leitor de código de barras.

No momento de pagar, não se entrega o dinheiro na mão do atendente. Na frente dele há uma pequena bandeja e é nela que se coloca o dinheiro. Ele pega o dinheiro e diz em voz alta quanto lhe foi dado. Confere se o cliente está prestando atenção e conta o troco em voz alta antes de entregá-lo. Isso para que não reste dúvida de que tudo está correto.

Quando vai colocar o que foi comprado na sacola, o atendente já separa os produtos alimentícios dos de higiene pessoal. E nada de jogar dentro da sacola. Ele abre bem o saco plástico e coloca tudo bem acomodado antes de entregar ao cliente e agradecer por ter comprado na loja.

No supermercado em que comprei, o atendente não colocava os produtos na sacola. O próprio cliente seguia até um balcão para colocar as compras no saco plástico. E um detalhe: ninguém deixa a cestinha jogada em qualquer canto. O próprio cliente a devolve na pilha de cestinhas.

Comentário: Um detalhe que eu gostei muito no Japão é que, nas lojas em que entrei, não veio aquele vendedor chato dizendo “posso ajudar em alguma coisa?”. Para mim, essa frase significa: “caro cliente, estou desesperado para vender e vim te importunar”.

Fiquei fã do Family Mart. Tinha um ao lado da escola onde eu estudava.
Fiquei fã do Family Mart. Tinha um ao lado da escola onde eu estudava.
Anúncios