Busca

Mundo Naressi

Uma visão, muitos mundos

Machina fobia

Parem as máquinas. Parem as máquinas! Está tudo saindo errado.

O que houve? Qual é o problema?

A máquina está fazendo errado. Nós colocamos ‘não’, mas está saindo ‘sim’.

Hum… Acho que é um problema de máquina viciada. Durante muitos anos só saiu ‘sim’, agora ela não consegue colocar ‘não’.

Precisamos dar um jeito nisso.

Continuar lendo “Machina fobia”

Anúncios

Nos braços de Morfeu

Fazia tempo que eu não dormia tão bem. Eu estava tão cansado nestas últimas semanas. Mais cansado a cada dia. Mas me parece que esta noite de sono foi um bálsamo para o meu corpo combalido. É tão bom poder acordar com o gorjear dos passarinhos. Será que ainda é cedo ou já é tarde? Não consigo me lembrar o que tenho para fazer hoje. Continuar lendo “Nos braços de Morfeu”

Bálsamo antônimo

Pedro é um pacato funcionário público – mesmo que isso pareça uma redundância – que vive monótona-rotineiramente um dia de repetição e cartas marcadas – e há novidades diárias na vida de um funcionário público? Continuar lendo “Bálsamo antônimo”

Amarelo intermitente

Amarelo. Odiosa cor amarela. Amarelo quimérico. Áureo alucinante. Espectro lascivo. Cor etérea e fugaz. Amarelo efêmero, devaneador, divagador. Cor horas evasiva, horas invasiva. Maracujálico opressivo. Jugo asfixiante. Odeio o amarelo. Continuar lendo “Amarelo intermitente”

Pá de cal

O local é sombrio, frio, sem cores e cortado por um silêncio que ecoa de forma retumbante. Já não penso mais em nada. Cansei de pensar, cansei de entender, cansei de ser o que sou e tentar ser o que eu queria ser. Já não me escutam mais, já não me leem mais, já não dão bola para o que eu penso, para a análise que faço das coisas. Resumindo: fiquei obsoleto, sou o resto de um pedaço quebrado que um dia teve uma função. Eu mesmo não espero mais nada de mim. Mas ainda estou aqui. Estou aqui para lamentar o fim. Estou aqui para imaginar como poderia ter sido e para lamentar como está prestes a terminar. Continuar lendo “Pá de cal”

Figura pitoresca

Eu nunca fui de acreditar nessas bobagens, mas pensei que, em um momento como o que estou passando, qualquer palavra poderia me ajudar a encontrar uma ideia de como prosseguir. Dei uma risada desconfiada soltando o ar pelo nariz. Estou parado em frente à porta e antes de entrar fiquei ansioso? Que coisa sem sentido. Se não acredito nisso, não tem nem porque criar qualquer tipo de expectativa. Dou o primeiro passo, coloco a mão direita na maçaneta, giro-a, abro a porta e entro. Continuar lendo “Figura pitoresca”

Ressuscitem o moribundo simplismo

O senhor Silva apoiava um lado. Odiava os comunistas, odiava a União Soviética. Torcia para que a democracia que os americanos levavam ao mundo esmagasse os ‘vermelhos’, como ele se referia aos herdeiros de Stálin. O mundo era muito claro. O bem era capitalista e guiado pelos americanos. O mal era comunista e guiado pelos soviéticos. O inimigo era sórdido. Para Silva, era mais do que óbvio quem eram os vilões do mundo. A frieza, maldade e vilania dos soviéticos eram o maior câncer que já se abatera sobre a Terra. Continuar lendo “Ressuscitem o moribundo simplismo”

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑